A gestão Construir e Servir começa a desenvolver importantes processos licitatórios

Como se sabe é necessário a administração pública atender as demandas de carências e necessidades do município, esta a luz da legalidade e no cumprimento da lei ampara-se desta ferramenta para a contratação de serviços que venham assistir as urgências do município.
A licitação é uma modalidade onde é aberta a concorrência a exemplo do pregão que sempre concorre o menor preço para aquisição de bens e de serviços comuns, mas qualquer que seja o valor estimado a disputa é feita por propostas e lances sucessivos, em seção pública, presencial ou eletrônica. Bens e serviços comuns são aqueles rotineiros, os quais não precisam passar por processos licitatórios, pois os mesmos são usuais sem maiores complexidades cuja especificação é facilmente reconhecida pelo mercado.
Sobre a viabilidade dos aquisitores do processo, e até ganhadores, nenhuma prefeitura ou empresa nada tem a ver com a lisura ou atividades escusas de qualquer concorrente do processo, pois o mesmo é democrático e não tem cunho investigativo. No exercício do trabalho, desenvolvido no processo licitatório se for percebido qualquer tipo de ilegalidade e dolência os órgãos públicos aí sim, tem como agir através de suas assessorias jurídicas no encaminhamento de ações que garantam um curso de valor e não dele desprovido.
Para qualquer bom leitor de bibliografias que receitam o assunto esta clareza fica óbvia.