I Encontro de Educação Inclusiva de Luzilândia debate a inclusão e a história do Movimento Negro no Brasil

Aconteceu na tarde da última sexta-feira (23), na câmara municipal de Luzilândia, o I Encontro de Educação Inclusiva de Luzilândia. O evento reuniu profissionais de diversas áreas da educação, assistência social, estudantes e populares, e trouxe como principais temas a inclusão do deficiente, assunto abordado pelo professor José Gualberto, e a História do Movimento Negro no Brasil, palestra ministrada pelo professor Gleysson Marques.

O idealizador do projeto inspetor da guarda municipal Antônio FIlho, foi quem deu as boas vindas aos participantes, e falou da importância do projeto para a educação e para a aquisição de conhecimento e citou a relevância dos incentivadores para a realização do encontro na cidade.


José Gualberto, é professor na APAE de Teresina e também mestre de capoeira, conhecido como Mestre Tucano, ele abordou o processo de inclusão no Brasil, expondo a princípio um suposto erro nas políticas de aplicação que deveriam incluir os alunos deficientes nas escolas, e acabou causando um certo receio, tanto pela falta de profissionais que não sabiam lidar com os novos alunos, quanto com a maneira imediatista utilizada pelos governos que sem estruturar ou capacitar, cobrou a inclusão e resultados rápidos. Gualberto também completou dizendo que aos poucos, as coisas foram se encaixando sem a necessidade da imposição, mas de maneira consciente.
O encontro, também trouxe na fala do historiador e pesquisador da História do Movimento Negro no Brasil, Gleyssom Marques, o que segundo ele é a verdadeira história do Brasil, contado por aqueles que estiveram e participaram de tudo. Falou de como as leis escravistas tentavam iludir a sociedade pregando uma libertação que nunca aconteceu de verdade, uma vez que todas as leis criadas, deixavam sempre os negros em situações desfavoráveis, que perduram até os dias atuais. Pessoas que estavam participando das palestras também questionaram, e interagiram com os palestrantes acerca de cada tema exposto.
Ao finalizar, o professor Gleyssom, sugeriu um segundo encontro para o debate sobre cotas.

Assessoria de Comunicação